Cases de sucesso

Programa de Educação Ambiental (PEA) - Rio Grande do Norte e Ceará

PEA RN1
Programa de Educação Ambiental (PEA)

Dentro das habilidades e competências do CTA – Serviços em Meio Ambiente estão as atividades de Educação Ambiental e Relacionamento com Comunidades.

A produção de resultados bem-sucedidos junto a comunidades locais e tradicionais, bem como com escolas e trabalhadores, autenticou a empresa de a executar projetos nessas áreas e em diversos empreendimentos.

Dentre os trabalhos desenvolvidos pela empresa está o Programa de Educação Ambiental (PEA), na área de influência das atividades marítimas da Petrobras, em 21 localidades, entre os estados do Rio Grande do Norte e Ceará.

Por meio da utilização de ferramentas metodológicas participativas e processos educativos, a equipe multidisciplinar do PEA (biologia, ecologia, gestão ambiental, ciências sociais, arquitetura, administração e contabilidade) ofereceu aos atores locais uma gestão ambiental compartilhada. Para cada localidade, o grupo de trabalho teve como foco a transmissão de uma educação ambiental crítica e emancipatória.

O PEA é dividido em duas Linhas de ação, intituladas pelo órgão licenciador de Linha-A (medida mitigatória) e Linha-E (medida compensatória). O trabalho com a Linha A consiste em oficinas mensais com duração de 8 horas, cujo foco é a organização comunitária, trabalhando-se temas relacionados ao meio ambiente com vistas à articulação social, políticas públicas e aspectos do licenciamento, de acordo com a realidade local.

A Linha E, por sua vez, trata do trabalho de gestão junto aos Conselhos Executivos, criados em cada uma das 21 localidades nos 19 municípios. Para isso, faz-se necessário acompanhar desde a escolha da medida compensatória a ser executada pela Petrobras (que necessita atender aos critérios do órgão licenciador), assessorar na regularização da instituição recebedora e trabalhar a gestão participativa com a comunidade visando o desenvolvimento e sustentabilidade do projeto a ser executado.

Plano de Recuperação de Área Degradada (PRADs)


Dentro das diversas modalidades de serviços realizados pelo CTA – Serviços Em Meio Ambiente, a empresa de consultoria ambiental possui em seu portfólio a elaboração e a execução de Planos de Recuperação de Áreas Degradadas (PRADs).

O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) consiste em um conjunto de atividades a serem executadas com a finalidade de recuperar a cobertura vegetal de uma área degradada. Seu objetivo principal é a recuperação do ambiente garantindo a proteção do solo contra processos erosivos e carregamento de partículas que causam o assoreamento de rios e córregos. Além disso, a estrutura vegetal reduz a poluição atmosférica, a intensidade dos ventos, regula a temperatura do ambiente, fornecem refúgio e abrigo a fauna e proteção as reservas hídricas superficiais e subterrâneas. A recuperação do ambiente ocorre durante o processo de licenciamento ambiental de empreendimentos, seguindo os critérios determinados no Plano Básico Ambiental (PBA) ou Plano de Controle Ambiental (PCA), conforme exigência do órgão ambiental competente.

Nas áreas a serem recuperadas, são apresentados e executados os procedimentos metodológicos básicos para preparação do terreno e plantio, como delimitação e cercamento das áreas, prevenção contra incêndios, roçada, combate a formigas cortadeiras, adubação e correção do solo, coveamento e coroamento, além de um plano básico de monitoramento e manutenção após plantio.

O CTA – Serviços em Meio Ambiente tem atendido Planos de Recuperação de Áreas Degradadas em diversos estados da Federação, em projetos nos setores de petróleo e gás, siderurgia, elétrico, urbanismo, logística e mineração.

Quer seja em ambientes restritos a pastagens – com pouca vegetação ciliar, Unidades de Conservação ou áreas indígenas foram recuperados cerca de 400ha de áreas degradadas, sendo plantadas mais de 350.000 mudas de espécies nativas do Bioma Mata Atlântica, agregando desse modo maior riqueza de espécies, favorecendo a regeneração natural e fortalecendo as relações ecológicas no ecossistema.

PRAD1

Antes

PRAD2

Depois

Know-how: referência na execução de Monitoramento de Praias

PMP2

O CTA – Serviços em Meio Ambiente executa desde 2006 Projetos de Monitoramento de Praias (PMPs) no litoral das regiões Sudeste e Nordeste para empresas dos seguimentos de logística offshore, celulose, exploração de petróleo e gás. Suporte operacional, agilidade de mobilização, comprometimento da equipe técnica, capacitações e aperfeiçoamentos, bem como experiências pretéritas são fatores que respaldam o Know-how da empresa nesse setor da consultoria ambiental.

As atividades do PMP incluem os serviços de monitoramento de praias e resgate, atendimento veterinário, reabilitação, soltura e necropsia de aves, tartarugas e mamíferos marinhos, conforme exigência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para o licenciamento ambiental da atividade de petróleo e gás natural.

Ao longo dos anos de execução dos PMPs, o CTA – Serviços em Meio Ambiente vem construindo relações positivas com instituições públicas, privadas, órgãos fiscalizadores e organizações de referência no manejo de animais marinhos no Brasil. Tal sinergia, imprescindível na execução do trabalho, conquistada por meio dessa parceria tem otimizado esforços na geração de dados confiáveis sobre os grupos faunísticos monitorados garantindo a disponibilização desses para as partes interessadas.

O licenciamento ambiental das estruturas de atendimento veterinário do CTA – Serviços em Meio Ambiente, que atendem aos Projetos de Monitoramento de Praias, é outra referência positiva. Atualmente, o CTA conta com os Centros de Reabilitação e Despetrolização de Fauna Marinha de Araruama/RJ, de Angra dos Reis/RJ e do Norte Capixaba, no município de São Mateus/ES; além da Unidade de Estabilização de Fauna Marinha (no município do Rio de Janeiro e da Unidade de Estabilização da Fauna Marinha Norte Fluminense em São Francisco de Itabapoana/RJ). Todas as infraestruturas encontram-se licenciadas pelos respectivos órgãos ambientais estaduais e em pleno funcionamento.

Os animais marinhos resgatados vivos recebem tratamento nos Centros Veterinários do CTA ou in loco – no caso de algumas espécies de mamíferos marinhos –, até apresentarem condições de serem reintroduzidos ao ambiente natural. A receberem alta veterinária os animais são encaminhados para a soltura como uma marcação específica, de acordo com o preconizado por cada Centro Especializado do ICMBio responsável por cada grupo faunístico. As aves são anilhadas com anilhas cedidas pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação das Aves Silvestres (CEMAVE). As tartarugas marinhas são anilhadas de acordo com as especificações do Centro/TAMAR/ICMBio e os mamíferos de acordo com o Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA).

Os animais mortos são necropsiados nas estruturas de atendimento veterinário do CTA. Nessas infraestruturas são coletadas amostras biológicas encaminhadas para laboratórios especializados, responsáveis pela emissão de laudos que contemplam as informações microscópicas dos tecidos dos órgãos dos animais. Tais resultados, associados aos dados coletados por médicos veterinários, no momento da necropsia, são utilizados para determinação da causa morte do animal.